E o Senhor quis torná-la completamente sua quando a nós nos parecia que era cedo demais.

Irmã María Begoña Gómez Azpitarte, bilbaína de nascimento e de coração. Ex-aluna da escola Madre de Dios em Bilbao e professora na mesma escola há mais de 25 anos.

Nasceu a 27 de agosto de 1954 e a 30 de janeiro de 1972, ingressou no postulado em Madrid e um ano depois iniciou o noviciado. Em 2 de fevereiro de 1975, fez a profissão de votos temporários em Madrid, na capela da casa do noviciado, e iniciou a sua jornada como Escrava da Eucaristia na comunidade de Dom Ramón de la Cruz, Madrid, de onde partiu no ano seguinte para estudar magistério em Granada. Assim que terminou a sua formação como professora, começou a praticar a profissão nas escolas de Berja, Madrid, Bilbau, Venezuela e, por último, Bilbao novamente. 

Foi uma verdadeira mestra para os seus alunos, incansável, entusiasta, dinâmica… com vocação para o serviço e com uma sensibilidade particular pelos mais necessitados. Onde havia uma aluna com mais necessidades, ela estava lá para a acompanhar, reforçar…

Sempre atenta aos mais travessos, aos mais atrasados,… Lembramos que ela ficava depois do seu horário para dar explicações, ajudar nas lições de casa… ou para jogar e também ensinar a jogar vôlei, outra das suas paixões. Muitos dos seus alunos lembram-se dela desses treinos e competições entre escolas. Uma pessoa inquieta, decisiva, generosa e solidária, que deixou uma marca em muitas gerações de meninos e meninas.

Em comunidade conhecemos a sua faceta mais íntima: a sua vontade de viver no discernimento, na busca contínua da verdade e da novidade de Deus na sua vida como Consagrada Escrava da Eucaristia e na sua missão pastoral educativa no seguimento de Jesus Mestre. Com um grande sentimento de pertencimento, ela sentia-se orgulhosa de quem era e não parou pelo caminho. As suas paixões eram muitas, culinária, educação, desporto, os Caminhos de Santiago, a tecnologia…, mas como ela mesma disse pouco antes de adoecer: “Já faz alguns anos que o meu projeto principal é ser fiel à minha vocação de religiosa Escrava da Eucaristia e da Mãe de Deus, tenho insistido nisso e me cultivando nesse aspecto, pondo tudo o que posso da minha parte…e sinto-me acompanhada pelo Senhor para seguir em frente, porque nEle depositei a minha confiança e espero tudo dEle, sua Palavra ilumina-me, inspira-me… e ajuda-me a viver a minha dedicação todos os dias”.

E o Senhor quis torná-la completamente sua quando a nós nos parecia que era cedo demais. Ela continuou lutando e confiando durante este último ano de doença para continuar vivendo e caminhando, mas nessa luta ela ficou cara a cara com aquele que foi o Amor da sua vida. Fê-lo com total consciência e integridade, despedindo-se de todos “até ao céu…” e deixando preparado o último troço do Caminho de Santiago, onde, disse, seria bom chegar este ano, que é jacobino . Ela chegou mais cedo, hoje agradecemos a Deus, porque sabemos que a Irmã Begoña já desfruta de sua presença sem véus nem intermediários. Sua busca acabou, seu caminho acabou. Descansa em paz.

Madrid, 4 de julho de 2022

Esta web no utiliza tus cookies para nada.    Ver Política de cookies
Privacidad